quinta-feira, 31 de maio de 2012

Os gatos fluidos de Apofiss

O Deviant Art foi um dos primeiros lugares da internet a abraçar digital art e fotografia de anônimos talentosos desde muito antes de qualquer outra rede social. Artistas do mundo todo se conectavam por meio dele. Conheço o site há uns bons dez anos, e ele pouco mudou. Foi por ele que descobri o Apofiss.

O artista cria imagens com 'adobe photoshop cs3' e 'paint tool sai', na maioria de gatos! o resultado é muito lindo. Uma mistura de pintura digital, aquarela e brincadeira de cores. Difícil encontrar uma preferida. A fluidez dos desenhos me deixa pasma. E ele ainda mostra o processo com vídeos no youtube.

Ver esses desenhos me deixa com vontade de colocá-los em quadros bem na minha parede cor de berinjela nova! E também acho incrível a profundidade de olhar que as imagens trazem, principalmente essas com os gatinhos mais escondidos pelo jogo de sombras e tons. Ele também brinca muito com a "temperatura" das cores.  





Khaleesi é uma das imagens mais lindas também. 

Parece a Luninha heh!

Dá pra ver o vídeo de como é feito um desenho: 


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Pedaços #1: Um prelúdio para Morpheus

Com 15 anos, primeiro colegial, eu não entendia nada de física. Nem de matemática. Gastava horas intensas estudando, mas aquilo nunca entrou na minha cabeça. De uniforme azul, calça de quem anda de skate e tranças por todo cabelo, comecei a ter aulas de reforço. 

Saía da escola, almoçava no pé-sujo a algumas quadras, assistia algumas aulas e pegava o ônibus de volta. Um belo dia, na metade dessa rotina, desci alguns pontos antes e peguei outro ônibus. Fui parar na praça Ary Coelho, que costumava ser o reduto dos lambe-lambes, pipoqueiros e ciganas. Eu era (?) meio tonta e me distraía fácil; surpresa era eu nunca ter me perdido de verdade. 'Tudo bem', pensei. 'Dá pra pegar o 080'. 

O sol quente me fez ter vontade de tomar um sorvete, então comecei a andar por ali. Cheguei em poucos segundos à quadra onde se concentram os dois únicos sebos de livros que não são religiosos e que possuem uma certa tradição. Maciel Livros Usados tinha cara de livraria/papelaria comum, e Hamurabi Livros tinha cara de buraco negro no espaço que vai te sugar para um mundo maravilhoso e desconhecido. Escolhi a segunda opção. 

Meu pai já havia me levado na Maciel anos antes, onde fiz a festa e escolhi 'Noite na Taverna', entre outros, lendo a obra nada recomendada para crianças na mais tenra idade. Não, não cresci psicopata. Naquele dia levei Drummond, Cecília e Clarice. Também peguei Machado de Assis, que sumiu e eu só li metade. 

Hamurabi é um amontoado de livros sem fim. Discos de vinil em perfeito estado, mil sonhos da cabeça cheia de trancinhas compridas. Corredores altos e poltronas muito velhas, gente que caminha sem fazer barulho por entre as estantes. Pensei 'todo mundo aqui deve ser gato, pra andar, assim, sem um ruído'. Fui tomada por uma febre momentânea de que havia achado meu lugar no mundo. Minhas mãos ágeis não viam a hora de folhear todas aquelas raridades e belezas. Eu estava vibrando. 

Em questão de meia hora tive uma dor de cabeça terrível por causa da poeira centenária, e tive que sentar na calçada para esperar a vertigem passar. É claro que perdi o ônibus. 

Enquanto tossia os ácaros e todos os fragmentos de velharia dos pulmões, vejo uma banquinha de jornais atulhada na rua, e um senhorzinho sentado lendo jornal. O letreiro dizia 'revistas-gibis-livros-usados'. Um apêndice da Hamurabi, e sem toda a carga de partículas de pó. Levemente abalada pelo ataque de asma momentâneo, comecei a folhear revistas e gibis antigos. O tiozinho deixa seu jornal de lado e fica conversando animado comigo. 

'Ah, tenho um aqui que acho que você vai gostar', diz ele, em determinado momento. Procura entre pilhas de alguma coisa. Enxergo a palavra 'VERTIGO' no meio. Ele me estende uma edição surrada de um gibi de 1988. 'Sandman: Prelúdios e Noturnos, de Neil Gaiman'. DC Comics. Pago a quantia módica de dois reais e pego o ônibus que já perdi quatro vezes. 

Devoro em meia hora, em casa. Entro na internet, busco informações, descobro que aquilo é mesmo uma raridade: não se edita mais Prelúdios e Noturnos, o primeiro arco do Sonhar, não se publica mais. Quase choro, porque eu queria mais, muito mais. Aquela versão mitológica e surreal de Robert Smith (todas as bandas da escola tocavam 'boys don't cry') me deixou em cócegas. Eu sabia que havia mais, muito mais. Em pouco tempo resolvo a situação e consigo as edições para ler online, incluindo Stardust. Foram noites em claro na frente do computador, até finalizar a leitura da edição 75 do arco 'Despertar'. Arrepios no corpo todo durante o processo de encontro com Morte, Delírio, Lúcifer, os perpétuos, Barbie, e toda a caixa de Pandora que eu acabara de abrir. 

Sempre brinco que vou ter todos na estante, um dia. E vou mesmo. Porque eu realmente acho que naquele dia, aquele senhor viu alguma coisa em mim, enquanto me estendia a edição original de uma obra prima. Ele foi Morpheus, e me jogou um punhado de areia nos meus olhos. Ele foi um Sonhar. 




.

.




P.S: Começa aqui uma seriezinha de memórias sobre livros, músicas, quadrinhos, discos, filmes.Vou chamá-las carinhosamente de 'Pedaços'. Textos sobre obras importantes pra mim, análises ou não, críticas, sinopses ou apenas uma crônica carinhosa sobre a minha memória afetiva com essas importantes partes da gente. Ciao!

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Conversas I

De jornalista pra jornalista: o amor inexiste.

- Ajuda aí, eu preciso fazer uma pauta sobre dia dos namorados. Conhece algum casal naquela fase onde tudo é lindo e existe uma melação dos infernos? onde eles não sabem ou ignoram que em algum momento vai tudo desandar?
- Hmm.
- Sobre caminhos olfativos e presentear com perfume. Ajudael.

5 minutos depois. 
- (Todo mundo que eu conheço tá fodido na vida amorosa, ein).

Indeed.


segunda-feira, 21 de maio de 2012

Looping

Acende o cigarro no escuro, senta, pensa. Um trago, dois tragos. Toda segunda-feira eu decido parar de fumar, toda terça-feira eu falho. Fumaça,  cheiro de menta. O preço do cigarro aumentou, hoje comprei na banca e vi que havia ficado mais caro, assim, do nada. 'Você devia parar de fumar'. Eu deveria parar de fumar, penso na segunda-feira. 

Na sexta-feira passada voltei do bar caminhando calmamente. Onze horas. A hora em que eu deveria esperar, de camisa de flanela vermelha recém-comprada e maquiagem no rosto, pra brincar de ser o que eu quisesse, menina e rainha. Mas sigo resoluta pra casa, deixando o tempo fazer seu trabalho árduo e honroso, o de esquecer.

Quarta-feira e eu me sinto exausta. O corpo dói e me sinto uma velha, cada osso retinindo inquieto, as costas pesam e o cansaço me deixa irracional. Quero cama e aconchego. Quero reclamar e dormir em posição fetal, esquentando o frio que vem de dentro pra fora. Quero solidão e que me deixem quieta no meu canto e em silêncio. 

(0) e-mails novos na caixa de entrada. 

Quinta-feira não quero ligar o computador, mas acabo ligando, mesmo que invisível em todos os circuitos. Cerveja ocasional com um amigo ou outro. "Você anda sumida". Não ando não, vivo na mesma casa, no mesmo quarto, no mesmo corpo. Atrás da loja de calçados, próximo da avenida movimentada. Eu só sumi do que não me importa muito, mas aí descubro que até essas coisas são essenciais. Elas fazem parte de uma realidade paralela, por onde eu transito quando me dá vontade. E é assim, simples, aceita quem quiser e quem não quiser também, boa noite. Quinta tenho sempre energia, e vontade de fazer mil coisas e escrever e editar e tocar violão e arrumar os livros. Insônia. 

Insônia, insônia. 

"Tô saindo", eu digo pra alguém que não vai ligar muito, e bato o portão. Caminho pelas ruas, sento no bar porque é sexta-feira. Volto pra casa, porque sábado cedo eu trabalho. "Não, nem quero ir pra balada, amanhã cedo eu trampo". Chego e não durmo, só engano. Óculos escuros pra esconder olheira. Exausta. Animada. Quero reclamar. Onze horas. Insônia. 

Looping. 

'Droga, me perdi de novo'. 

Como naquele dia, naquela semana, em que minha memória se escoou pelo ralo e eu me perdi de casa.

Sábado, domingo. Não vi passar e não sei dizer. Oito horas da manhã, o sol na cara e a maquiagem escorrendo pelos cílios. A sola do tênis que ganhei por último já tá ficando gasta. Colocar eles no pé no sábado me faz sentir que eu posso fazer qualquer coisa que eu quiser. Domingo eu não me lembro de nada, e fico contida, presa na gaiola, por vontade própria. Desligo dos outros e gostaria que se desligassem de mim.

Já é terça-feira. Eu devia mesmo parar de fumar. 

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Fotos de Andy Prokh ou 'meu amigo gato'

Andy Prokh é um fotógrafo russo, e dos bons. Já algum tempo as fotos dele circulam pela internet. A foto do meu layout mesmo é dele. Queria achar uma bio sobre ele, mas não achei nada que não fosse escrito em russo! 

As fotos dele são um primor - e nem é porque tem esse gatinho gorducho em quase todas. Acho que ele usa filtros que dão um ar especial às fotos e uma proposta muito bacana, que capta uma sensação de nostalgia, de lúdico e de sonho, e o gatinho é um personagem das imagens, como um ser humano. Não consigo decidir se a minha favorita é a da lanterna na parede ou a "We Trust in Love"

A primeira vez que vi essas fotos não consegui deixar de pensar: "como é que esse gatinho ficou tão quieto-bonzinho fazendo pose pra todas as fotos? se fosse a Pan já teria arranhado a criança, mordido uns pés alheios e dado meia volta resmungando <3". 

 










quarta-feira, 16 de maio de 2012

Obrigada e boa noite

Mal esfriou o corpo e eu já me sinto pequenininha de novo. Uma nada, um grão diminuto de areia. E sobre esse mesmo corpo pesa a decisão tomada ontem. Decisões, amarras, mordaças. Vontade de deixar que alguém escolha por mim. Que me vista de manhã para o trabalho, que sorria insossa aos cumprimentos de bom dia. A contrariedade e o peso reverberam muito alto nos meus ouvidos. 

'Pra mim já deu, já bastou. Cansei de sofrer'. As lágrimas ficam incontroláveis enquanto eu redijo bravamente as palavras finais. Parece certo, o caminho. Conto e reconto mentalmente os inúmeros motivos. "Você estava sofrendo, carente, triste; você não merece isso; você consegue fazer melhor; sua vontade importa, seus sentimentos importam" e muitos outros, milhares deles. Transbordo de tristeza, renuncio a tudo e a todos e me isolo. Chego, durmo, espero. Acordo às dez da noite com gritos e sapateio da família, sinto raiva e vontade de dar um soco na parede de concreto e ver minha mão se estilhaçar. Que raiva, de tudo. "Porque as coisas são assim? Porque todos à minha volta são abundantemente felizes e só eu e apenas eu me encontro nesse estado de miséria?". Vontade de sumir no tempo. Lágrimas voltam, ensopam o travesseiro que nem bem secou. 

"Ninguém é infeliz; as pessoas encontram as outras, mas eu permaneço sozinha; nada do que eu faço é certo e eu não sei o que fazer com esses sentimentos". Engulo o soluço, afundo o rosto, conto mentalmente. Um, dois três, mil, três mil quatrocentos e setenta. Doze mil, setecentos e noventa e nove. Ligo o ar condicionado pra fazer barulho apesar do frio congelante e sufocar a orquestra sinfônica que retumba na minha cabeça e canta alegremente 'solidão! solidão! você tomou a decisão errada!'. 

E se eu tomei a decisão errada?

E se eu fui fraca? 

E nada. Mais nada.  Não existe mais nada.

Acordo, visto o pé trocado do sapato. Fico imóvel alguns minutos sobre os lençóis, tentando me lembrar do que me perturbava, e não preciso me esforçar muito. Em um primeiro instante, certa confusão mental. Depois tudo volta muito claro, e sinto imediata vontade de voltar pra debaixo das cobertas. Me recordo do que era bom e me sinto absolutamente saudosa e dolorida, como se tivesse levado uma surra e não dormido doze horas seguidas. Como se tivesse sido arrastada por um veículo em movimento e minha alma, não meu corpo, sentisse as feridas e os ossos quebrados. 

Suspiro. 

E se eu tomei a decisão errada, não dá mais tempo. Outra ponte queimou. Não resta muito mais, além de mim mesma. Resignação. Viva com isso, garota. Mas não seja forte, não se cobre isso, é a nova voz dentro da cabeça. A saudade aperta, esmaga as entranhas, mas a voz repete, você é uma sobrevivente. Vai superar o que tiver que ser, mesmo que morra tentando. 

Isso eu sei. 
O corpo volta a esfriar. É um novo dia. Mais um. 

PS: Obrigada por ter me amado.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Resumo do fim de semana

Campo Grande (MS) - O frio une as mais variadas desavenças felinas. Inimigas mortais partilharam os cobertores no último fim de semana, na minha casa. Dia das mães transcorreu sem maiores incidentes.


Luninha e Pan dormem enrodilhadas durante trégua em virtude da queda de temperatura; foto de celular comprova veracidade do fato inacreditável. 

quinta-feira, 10 de maio de 2012

NYC

Há duas noites que sonho que estou em Nova Iorque. Logo, que nunca nem saí do Brasil (Paraguai não conta, vai, fronteiras em geral não contam). Ou seja, sonho com a NY que eu vi por uma tela, por películas, por descrições.

Em um sonho eu caminhava por uma Times Square vazia, como em Eu sou a Lenda. No outro, eu olhava a cidade por uma sacada antiga. Ninguém me dizia que eu estava em New York, mas eu sentia aquilo. Dois sonhos lindos. 

Acordei com vontade de mudar tudo, virar todos os planos de ponta cabeça e reconstruir cada um deles. De me reinventar e não precisar de mais nada além de planejamento e um pouco de coragem. 


Será que é por causa dessa música aí? (NYC - Interpol)


I had seven faces
Thought I knew which one to wear
But I'm sick of spending these lonely nights
Training myself not to care

But New York cares [Got to be some more change in my life].

quarta-feira, 9 de maio de 2012

À Lisbeth, com carinho

Há vários meses que o preenchimento do ócio tem sido uma espécie de luta interior, quando notei que tendia ao tédio e ao mau humor level 85 quando passava tempo demais sem fazer nada; ou seja, eu passo as semanas correndo feito louca, e quando paro, bate uma bad trip. Não precisar dedicar parte da rotina pra alguém aumentou muito esse ócio. Quando o corpo já descansou, a preguiça já fez uma visita, o serviço doméstico está em dia e a Pan não quer mais ganhar carinho, começa o circuito do tédio. Notei logo que muitas vezes não dá pra ver os amigos e fazer programas divertidinhos, que o facebook está cheio de imagens sacais e memes sem graça, e que televisão nem pensar (livraimedatv plmdds). Então comecei a me abastecer de livros, filmes e seriados. 

Eu nunca tinha ouvido falar de Lisbeth Salander, até um ano atrás, quando o Renato chegou um dia na redação numa segunda-feira anunciando "Gente, assisti um filme animal esse fim de semana, sueco. Chama 'Os homens que não amavam as mulheres'". Não dei a menor bola, assumo, até David Fincher adaptar a obra do escritor e jornalista Stieg Larsson para a telona. Fui, assisti, amei. Gostei de Rooney Mara como Lisbeth, achei a caracterização inteira do filme perfeita. Passei dias pensando sobre o que havia assistido.

Com um tempo de delay absurdo, resolvi ler a trilogia Millenium, depois de topar com o primeiro livro, durante uma viagem. Há alguns dias meu sono tem sido roubado por páginas e mais páginas de Lisbeth, Mikael e todos os homens que certamente não amam as mulheres. 

Me encontro no livro número 2, "A menina que brincava com fogo", e acho que ele é ainda mais tenso do que o primeiro. Estou na metade, e comecei há dois dias atrás, lendo com avidez em todos os intervalos possíveis, preenchendo o ócio mais do que necessário. Na primeira obra, "Os homens que não amavam as mulheres" (nunca entendi essa tradução de título, quando na verdade, em inglês é 'The girl with the dragon tattoo'"), o mistério começa girando em torno da desaparição de Harriet Vanger e de um inimigo invisível, que aos poucos começa a mostrar claramente que está de olho na investigação que Mikael e Lisbeth estão conduzindo na família de industriais Vanger. Já no segundo, é o passado de Lisbeth que vem à tona, e seus inimigos são claramente marcados, e a cercam como um bando de chacais. Lisbeth está na mira, mas ela está sempre um passo à frente. 


Depois de Lisbeth, meu personagem favorito é Stieg. Sim, pois para mim, Mikael é sua versão romântica e pitoresca, chega a ser um alter ego. As semelhanças são muitas, entre o jornalista autor dos livros e o jornalista da ficção. E eu tenho gostado demais como Stieg, sutilmente entre as linhas, dissemina pensamentos feministas, sobre como a mulher é brutalizada todos os dias, não só na Suécia. Como seu papel social é deveras rebaixado, e como os julgamentos sociais pesam uma tonelada quando se é mulher. Lisbeth, como disse a jornalista brasileira Eliane Brum em um texto muito bom sobre o assunto, é o ícone literário que designa uma geração. Mas acho também que ela nos representa: toda mulher tem uma história de horror, já sofreu algum tipo de discriminação, já teve seus atos julgados por uma sociedade massacrante, já foi vítima de recalque alheio, de algum tipo de violência moral ou física, da mais sutil à mais horrenda. Eu, você, sua mãe, suas tias todas, suas amigas. Todas nós temos essas histórias pra contar. E se não tivermos, basta abrirmos algum jornal. Com certeza encontraremos vítimas entre as páginas. Mulheres.

Me vejo um pouco refletida em Lisbeth, e ao mesmo tempo quero ganhar sua afeição e confiança, porque ela tem a minha, inteiramente. Sua liberdade me fascina. As linhas de Stieg me fisgaram. Quero chegar ao fim da obra, mas temo pelo seu fim, por findar algo tão prazeroso. Tenho certeza que quando fechar o último livro da obra, vou sonhar com a garota magricela com a enorme tatuagem de dragão no corpo. 

Artigo ótimo de Eliane Brum para a revista Época "Porque amamos Lisbeth Salander". 
Coleção da trilogia Millenium

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Amor muda.

Depois de um tempo, o fim traumático de alguma coisa é como ter atravessado uma ponte longa, um percurso penoso e doloroso, mas que no final culmina em um por do sol tranquilo.

Não precisei de vazio, de relacionamentos ocos. Eu atravessei sozinha. O amor mudou. Ele muda todos os dias. 

Muda de forma, de cheiro, de abraço. Se transforma. Se recompõe, desmonta, quebra, restaura. Dói, é bom, sublime, machuca. Se imprime na pele mas se vai com o ar. 

Dentro do sono a vida parece um caleidoscópio de mil cores e gostos que ficam impressos na ponta da língua, por meio das lembranças de dias que nos transformaram, um a um. Mas chegou a hora de pegar os sentimentos e guarda-los dentro de uma caixa bonita, deixá-los quietos e em estado de dormência. Não mais transbordar, não mais viver com essa intensidade que o cotidiano sufoca. É hora de estar em latência. 

Hora de mudar, de deixar a transparência assumir. De achar esse estranho ponto que mantém seus pés no chão, e seu espírito livre. 

Turn off the bright lights. 

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Fuligem

Campo Grande, 03 de maio de 2012. 19h47. 
Fumando um cigarro enquanto caminho, em direção ao Centro Cultural José Octávio Guizzo, onde no teatro Aracy Balabanian iria começar a pauta de assessoria.

Encontro toda a equipe do meu antigo estágio, da Assecom do Ministério Público Estadual. Avisto meu ex-chefe, um dos jornalistas da "velha escola" com quem mais tenho orgulho de ter trabalhado.

"Jorge!" - emoçãozinha de reencontrar. Vejo mais pessoas conhecidas do mesmo lugar: o cameraman e radialista da equipe; a publicitária que me ensinou a diagramar meu livro reportagem de conclusão de curso pra que eu não precisasse pagar, e ainda aprendesse; a moça do café, que ria da minha cara enquanto eu tomava generosas xícaras de café durante o dia. Pessoas que de um jeito ou de outro foram importantíssimas pra minha formação profissional. Jorge acende um cigarro e me acompanha, e a gente troca impressões sobre o MP, a agência em que eu trabalho, e sobre o curta-metragem que ele e Márcio, o cameraman, estavam exibindo ali, naquela noite.

Nostalgia me toma por completo.


..

Campo Grande, 27 de maio de 2009. 14h37. 
Nós vamos até a pauta com a van que leva processos e outros documentos pro fórum central da cidade. Eu e Higor, o primeiro cameraman. Levo meu bloquinho do Intercom, e máquina fotográfica. Graças ao jornalista preguiçoso que costuma me passar as pautas quando Jorge não tá, é a estagiária que vai. Me sinto meio "vendida", porque ele não se deu ao trabalho de me explicar direito do que se trata. Já notei que não sou a estagiária favorita, ele gosta mais da menina crente do período da manhã. Pudera, me perguntaram minha religião e eu disse que sou ateia. Irônico, no mínimo, religião fazer diferença em um órgão de justiça pública.

Longe pra caramba. A gente passou pela AV. Tamandaré. Ar condicionado na van salva, totalmente. Higor tá me falando do seu novo projeto de banda. Recentemente, ele fez uma gravação com algumas bandas pra um programa universitário. Minutos se arrastam.

Chegamos. Terreno enorme, um depósito com cara de abandono. Portões carcomidos de ferrugem. Começo os cliques. Carros do Gaeco, do Ministério do Trabalho, do Ministério Público e da Polícia Ambiental. Fardas, crachás, ternos. Eles entram com os carros sem muita cerimônia.

Lá dentro, pilhas e pilhas de carvão, madeira, embalagens. Sujeira, muito sujeira. Clico a esteira de embalagem, um policial ambiental mexe com as mãos no carvão, separando algumas peças, e mostra ao parceiro: "tá vendo? eucalipto. Esse outro aqui, parece ipê. Tudo ilegal". Outro policial conversa com algumas pessoas que estavam ali.


Caminho receosa pelo cenário, cuidando para não tropeçar no cascalho, ao mesmo tempo que tento não perder nada. Observo as pilhas de carvão, o maquinário, os policiais. Então em um canto um pouco mais afastado, um promotor de justiça conversa com três pessoas sentadas sobre pilhas de carvão.

"- Tá tudo bem, vocês podem me contar. Como é o trabalho aqui?".

Olho para os três homens. Um deles parece ter mais de 50 anos, enquanto outro, bem menos de 18. O terceiro, calculo que tenha em torno de 30 anos. O mais novo é perguntado sobre sua idade, e afirma ter recém-completo 19 anos. Olho para suas mãos, enegrecidas de sujeira, e elas estão feridas. Ele tem um pano sujo enrolado na palma, e torce os punhos no colo, nervoso. Os outros estão com o mesmo rosto triste, expressão de abandono. Um descalço, os outros com chinelo solto no pé e tênis preto. Eles não conseguem esconder um leve desespero, mas contam calmamente o que acontece ali.

Tiro fotos sem focar nos seus rostos cheios de fuligem e abandono, preservando o anonimato deles. Sem nem sequer configurar a máquina, o tom cinzento da situação transparece nas imagens, quando paro pra conferir. Ouço trechos da conversa enquanto uma breve confusão de instala um pouco mais longe. Os homens estão contando que são obrigados a trabalhar sem muito descanso, e grande parte do salário é usado na compra de produtos da venda do dono da embaladora.


Um deles começa a chorar, e as lágrimas escorrem pelo rosto e abrem caminho na fuligem negra. Não consigo desgrudar meus olhos dele. Como se quebra a dignidade de alguém? eu me pergunto. Sendo humano também. Sendo filho da puta.

O gerente do lugar apareceu, ele que está fazendo a confusão. Policiais estão ameaçando prendê-lo por desacato, se ele não se acalmar. Ministério do Trabalho avisa que ele será notificado, assim como o dono do lugar. "Vocês não podem levar meus funcionários!". Calma, amigo, diz um policial. Manda o gerente sossegar, que eles não são propriedade de ninguém.

Fim da pauta. A gente volta, Higor carregando a pesada filmadora.
E eu carrego a câmera, o bloco de anotações, e um peso assim, doído, ardido, no fundo do estômago.


quarta-feira, 2 de maio de 2012

Magia do cinema FAIL

Esse feriado trabalhei na segunda, e fez frio. Então automaticamente o bode se instalou. Trabalhar quando quase todo mundo folga + frio dos infernos + feriado de um dia só duplicando a segunda-feira, a deprê veio forte, não vou nem negar.


Cheguei domingo a noite de viagem, e observei que meus amigos estavam bem inspirados pro cineminha. Observei também que neguei categoricamente cada convite, me agarrando forte à possibilidade de permanecer mendiga de moletom furado debaixo da coberta com a Pan. O ápice do meu feriado foi, depois de passar frio tocando violão na orla, voltar pras cobertas e pedir batata recheada no delivery.


Agora fico me perguntando porque logo eu, que adoro filme e adoro cinema, parei de ir ao cinema.

Na minha cidade tem duas franquias de cinema e um cine antigo no centrão, que facilmente desobedece às regras da ABNT vigilância sanitária e que recebe uma vizinhança perigosa depois das 18h. E o pior dos pecados: só passa filme dublado. Quanto às franquias, preguiça extrema só de pensar: Cinemark, que foi a única durante uns bons 15 anos, tá sempre lotado, o atendimento é mega ruim e as poltronas são uma droga, e olha, o preço tá uma tristeza, eu que não sou mais estudante pago módicos 19 reais que doem no rim. Filas, sempre filas, de gente sem educação e sem empatia. E o Cinépolis, no shopping recém-aberto? bom, eu nunca fui lá porque é longe pra dedéu. Mas lá 90% dos filmes também são dublados. Morri de sunga branca e voltei zumbi.

Nas últimas vezes que fiz um esforço pra ir ao cinema, me arrependi de leve. Paguei caro, furaram fila na minha cara, a pipoca estourou o orçamento (R$25 aquele combo enorme de pipoca que dá pra encher de novo, mas é tipo pagar 25 reais em um pacote de milho que custa menos de R$ 4), as pessoas foram mal-educadas, peguei uma poltrona ruim e apertada, e mesmo com o novo sistema de poltronas numeradas, alguém sentou no meu lugar. Cadê a magia, Bial?

Vendo as caras de decepção dos amigos, fiquei me imaginando uma chata que não sai de casa. Mas não é isso. Queria que houvessem mais cinemas, que não fosse tudo tão lotado, que eu pudesse sentar e ver meu filme com o mínimo de conforto, afinal, não é nada barato. Perdi de ver uma porção de filmes porque cansei de passar perrengue. Baixei alguns, mas realmente não é a mesma coisa.

Eu costumava amar a atmosfera do cinema, mas agora, a única atmosfera é a de frustração. Com 3D vagabundo e ainda dublada.