sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Eu era uma blogueira brasileira


Não me lembro bem quando eu decidi criar um blog. Acho que eu li uma matéria em alguma revista sobre o mundo revolucionário dos 'WEBLOGGERS' e pensei "dels, o que será isso?". Na época eu devia ter uns 12 anos de idade e uma internet discada daquelas que só podia ser acessada depois da meia-noite porque, segundo minha Mamai, era CARO, CARO DEMAIS. E no fim de semana era conexão o dia todo, olha que beleza. Sábado era dia de ficar ~paquerando~ no mIRC e preparando postagens e templates. 

Eu criei minha primeira conta no site Blogger Brasil. Nunca parei pra pensar direito nisso, mas a Blogger Brasil era a correspondente brasileira da Blogspot, ou Blogger.com, serviço que eu uso hoje mas que na época era dificil de usar, eu não entendia nada. Foi assim que me apaixonei por esse cantinho e descobri uma coisa ~aloc~ chamada HTML. E depois Photoshop. E depois comentários. Aos 15 anos eu era membro de uma vasta comunidade de bloggers, nossos diários da vida cotidiana, onde eu chorava a morte do meu hamster e xingava a minha irmã que tinha gritado comigo naquele dia. E as pessoas comentavam. Não tinha essa de ganhar dinheiro com blog. E o pessoal migrava aos poucos pra outros serviços, mas eu não, eu fiquei na Blogger Brasil. Até a Globo comprar e ser pago. 

Hoje, sem querer, digitei a url da Blogger e coloquei um .com.br no final. O site está lá, gente. Intocado. Os mesmos links de 2008, e lembrei que parei de usar o serviço em 2009. Se você clica em muita coisa dá erro, mas pensa, esse site é uma relíquia e está lá. Me deu saudades, nostalgia, de um tempo que nossa vida se passava dentro de uma micro-comunidade "blogueana", onde eu desabafava minhas peripécias adolescentes com esmero e muita atitude revolts. Tudo isso antes de eu gostar de jornalismo, de gatos. Eu ainda namorava, estudava pro vestibular, tinha banda, não tinha meu próprio quarto. Não tinha comido gelato de pistache, não conhecia São Paulo, não tinha visto o Queens of the Stone Age tocar. Estava lendo Sandman na madrugada boladona. Estava cheia de medos de virar adulta. Essa última questão ainda persiste.  

Tentei rastrear meus passos no Blogger Brasil e meu último blog por esse serviço ainda está lá! é um baú, um sarcófago, um navio naufragado cheio de tesouros. Obrigada, Globo.com (?) por manter esse site no ar. Se você quiser dar uma espiada tardia na minha adolescência (porque nesse último blog eu já tava na faculdade), clica aqui: Tecla Maldita (meu bloguxo s2). Acho que a Blogger Brasil é um cantinho empoeirado e muito querido da internet. Pelo menos pra esta que vos escreve. Tchorei de sdds de 2008. A vida parecia (e de certo era) mais fácil. /nostalgia 

PS: Depois, prometo, volto pra escrever sobre a aventura no Festival de Cinema de Gramado. Foi massa, foi lindo, foi Kikito. Bejs!

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Alor mundo

A garganta doeu muito e parecia travada quando acordei hoje de manhã. Foi como se todo o peso de inúmeras coisas tivesse caído, finalmente, sobre o meu corpo. Mas como num mantra inquebrantável, a gente levanta, bate um cabelo pro lado, dá uma esticada nas costas (toma umas dose de tequila) e vai trabalhar. 

Pois bem, desabafo número um: tô saindo da casa dos meus pais. A conta matemática que resultou nessa decisão é bem simples: 25 anos de idade, um emprego ok, muita vontade de deixar várias coisas pra trás (agora é aquele momento que eu viro e falo "vamos beber que eu te conto". O dia que eu fundar o Bar da Lyrinha pfvr não reclamem). Tô juntando panelas usadas, armários de doação, coisas que as pessoas que me rodeiam não querem ou não precisam mais. Manda pra cá, realmente tô sem nada e aceitando o que vier. Passamos uma mão de tinta e pronto, ficará lindo na casinha. A casinha já existe, está tudo certo, apenas esperando eu levar a matula e o gato e começar a habitá-la. A mudança está prevista para a fatídica data de 13 de setembro. Já tenho até cafeteira que ganhei e fiquei muito feliz <3. Reflexão é que tenho pessoas muito fodas ao meu redor, e inclusive até geladeira e conjunto de pratos ~náuticos~ (sente o amor puro) eu ganhei. 

Desabafo número dois: amanhã eu tô indo viajar pra cobrir o Festival de Cinema de Gramado. Apenas um derradeiro comentário: será lindo. 

Desabafo número três: mesmo cansada e doente estou verdadeiramente inquieta. A vida anda meio doida por aqui. Doida e Doída. Chega o fim do dia eu penso na minha cama e no quanto quero dormir uma noite completa. Madrugada alta e meus olhos estão abertos no escuro. Eu devo funcionar ao contrário. 

PS: Depois de 4 anos trabalhando sem parar, setembro tô de férias. /tchorando de emoção.